Resenha – She & Him em “Volume Two”

She & HimOlá Pessoas!

Aviso: Se quiser ler só um resumo da resenha toda, o último paragráfo é o que recomendo.

Hoje o dia começa com uma vibe Twee Pop maravilhosa. A dupla Zooey Deschannel (aquela atriz mais que fofa dos olhos azuis mais perturbadores que existem) e M. Ward se auto intitularam “She & Him” e existem como tal desde 2006. Porém, seu primeiro cd só veio em 2008. E esse ano contamos com o “Volume Two”, do qual vou tentar falar. Ah, a recomendação para resenha foi da @padnaberrie, que fica triste cada vez que eu peço recomendações e não faço as que ela me pede. Mal sabe ela que não faço por medo de falar besteiras sobre os artistas que ela mais ama.

O álbum abre com “Thieves”. Violão suave bem como um violino grave. Além deles, piano e banjo e o doce vocal de Deschannel com backvocals perfeitos de Ward. Clima de música antiga, daquelas que parecem do tempo em que se cantava ao vivo no rádio, bem romântica. A segunda é “In the Sun”, que é o single atual da banda. Doce, animada, cheia de pianos e com clipe que tira sarro da Britney Spears (obrigado pela percepção, @padnaberrie), a música é bem mais atual em termos de sonoridade do que a anterior. Conta até com uma guitarra distorcida, que foge normalmente do escopo do Twee Pop. Ai vem “Don’t look back”. Mas grave e mais ritmada pelo piano, o vocal de Deschannel toma ares um pouco diferentes daquela doçura romântica e fica mais impetuoso ao apostar no grave, tomando mais corpo. Bem animada também, enérgica. Não notei backvocals de Ward nela. Ai, na trilha quatro, voltamos com a doçura. “Ridin’ in my car” trás, apesar vocal mais grave de Deschannel, algo mais suave. Ward aposta dessa vez num dueto de fato, cantando junto de Zooey, e a voz dele é tão perfeita que chega a emocionar. A sonoridade dela também remete aos tempos áureos de rádio, a exceção da guitarra levemente distorcida. Estamos na quinta trilha, com “Lingering Still”, e ares praianos invadem a música. Cordas predominam no lugar do piano, ainda mais a guitarra da introdução. A vontade de estar perto de uma fogueira com os amigos, a pessoa amada e um violão é grande ao ouvir essa faixa. O piano só vem no final. Ai chegamos ao meio do cd. “Me and you” vem com violões graves acompanhando o vocal levemente agudo. A bateria fica apagadinha lá no fundo e Ward faz uma brincadeira junto com Zooey no backvocal. Ai a música ganha mais corpo, com a bateria aparecendo mais e um violino junto do violão.

Chegamos a trilha oito com “Gonna get along without you now”, que já começa agitadinha. O ritmo mais acelerado do violão, que tá baixinho junto com a bateria, fica ainda mais legal com os backvocals. Ai vem “Home”, com piano ritmado e bateria acelerada. Ai a música acalma do nada e volta ao piano ritmado e bateria acelerada. Esse revezamento de ritmos ficou interessante, ainda mais combinado com algumas pequenas tensões. As palmas no final também deram um toque todo especial para a faixa, que é a maior do cd. A música nove é “I’m gonna make it better”. Mais grave, também de sonoridade mais antiga que as outras do cd, tem uma combinação entre bateria, piano e guitarra muito legal. Os riffs graves e curtos de guitarra sobrepõe o violão quando aparece. Naipes de metal supreendem no meio da música, apesar de aparecerem rapidamente. A décima faixa se chama “Sing” e vem com a bateria em destaque, sobrepondo o violão. O backvocal sobrepõe tudo isso. Depois vem “Over it over again”. Agitadinha, de piano ritmado comandando e com a bateria aparecendo aos poucos. Vocal de Deschannel um pouco mais agudo. Em certo momento, solo de guitarra agudinha só para dar um outro sabor a música. A penúltima é “Brand new shows” e vem com violão ritmado mas calmo. O vocal vem mais grave. Mistura ares de música para baile clássico com o romance praiano que o violão trás por si só. Aliás, ser só voz e violão é uma das maiores qualidades dessa trilha. E fechamos com “If you can’t sleep”. Vocalizações abrem a música fazendo as vezes de orgão, e se unem a violinos graves. O vocal vem calmo. Realmente é uma música para dormir

O cd tem ao todo 43 minutos. As treze faixas fazem bem o papel de apresentar um twee pop de qualidade. Acho que Ward poderia participar mais com vocais, ainda que a voz de Deschannel seja perfeita. A presença forte de bateria é algo que eu não percebi tanto em outras bandas e que talvez seja um bom diferencial do “She & Him”. Cd altamente recomendado.

MySpace – She & Him

“It seems like all those little things add up in the end / Well I know that you worry a lot about / Things you can’t control / There are so many things we’d like to have / But we just cannot hold” (Me and You – She & Him)

See ya

Um comentário sobre “Resenha – She & Him em “Volume Two”

  1. ÊÊÊ FINALMENTE!😀
    e bom, nem vem em “falar merda”. Eu aceito críticas tá.

    Sobre o cd, realmente a Zooey tem uma das vozes mais gostosas de se escutar de todos os tempos, e, por favor, ME ARRANJA UM DEFEITO NELA QUE EU NÃO VEJO UM!
    Sobre o volume two.. eu simplesmente adorei, mas ainda gosto mais da vibe do volume one. Talvez porque as musicas me lembre coisas boas e lembranças maravilhosas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s