Resenha – Sune Rose Wagner em “Sune Rose Wagner”

Hej Folk!!

Ai em cima, claro, eu os cumprimentei. Isso foi um “Olá Pessoal” na língua nativa de Sune Rose Wagner. O dinarquês é famoso por fazer dupla com Sharin Foo no “The Raveonettes”. Mas hoje, em particular, falarei do moço sozinho. O cd que leva o nome do cantor parece, ao que as pesquisas do google me indicaram, ser o primeiro solo dele. Como o material é excasso, tudo que posso fazer é falar da obra faixa-a-faixa, como sempre faço. Vamos lá, ok? Mas antes! Segundo o “The Passion of Indie Music” ele toca Indie / Pop / Surf / Shoegaze

Começamos com “Hvad Der Sker”. Como os nomes são em dinarquês, não tenho nem idéia do que sejam. As vezes somos criticados por não saber o que a música fala mas, no fim das contas, você repara na letra quando está realmente curtindo a música? Difícil. De qualquer forma, temos aqui uma bateria leve de fundo, baixo praticamente nulo e guitarra deliciosa, meio aguda. O vocal rouco, quase sussurrado, de Sune é muito bom. Ah, e segundo o google translator o nome da música é “O que acontece”. Numa levada mais melancólica e distorcida, temos “Et Underfuldt Liv”. O vocal é bem pausado, quase dando ritmo pra música. A terceira é “Afgruden”. A introdução é mais animada, mais comercial até. Durante a estrofe, fica só a guitarra base aparecendo. A bateria aparece ao longo da música. Numa levada calma, só violão e voz, bem sonolenta, aparece na trilha 4 a música “Altid”. Da vontade de ou dançar juntinho, ou dormir juntinho. E na metade do cd, a música “Tyskerpiger” vem cheia dos sintetizadores e guitarras distorcidas. Dramática, densa, é uma música triste e que da vontade de ficar bebendo vinho com outros amigos tristes.

“Samme Vej”, sexta música, quebra o clima triste da anterior. Um ar sessentista aparece na alegria romântica e doce salpicada por sintetizadores. Estes dão um ar psicodélico e aumentam a leveza da trilha. Faixa 7, “Svinske Maend”, que tem jeito de fim de festa. Parece que estamos com alguém que gostamos e vai embora. Isso, talvez, pela guitarra com reverb e grave. Um solo mais agudo transmite essa mesma tristeza. Outra altamente setentista é a oitava música, “Gi’ Mig En Pige”. Dançar juntinho ao som daquela levadinha mais que conhecida: lembra aquelas músicas que sempre tocam nas cenas de baile de ginásio nos filmes?? Imagina ela com reverb. É exatamente o estilo dessa obra. De bateria mais rapidinha, “Beruset og Forhadt” é naturalmente mais animada que as anteriores. A levada da vontade de sair pela rua zuando com os amigos, a pé mesmo. A guitarra vem ainda mais rápida e, a certo ponto da música (por volta dos 2 minutos) uma tensão é gerada, que se resolve com a retomada do ritmo. E o cd é fechado com “Din Mund”, outra das calmas/melancólicas. O riff de guitarra (creio eu ser guitarra) é bem legal, me lembra um pouco música francesa.

Temos aqui um cd que, pra mim, tem a imagem mais shoegaze que posso imaginar: baile de ginásio para nerd tímido. Sério. O cd tem essa cara pra mim. Intercala músicas lentas com melancólicas e, aqui e ali, faixas animadas. Sem download, com o MySpace fora do ar, Sune Rose Wagner deixa a desejar apenas nisso. Altamente recomendado

Ah, sem letras também… Oh droga!

See ya later…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s